O caso de racismo contra Ludmilla e a mídia reacionária

Ligado .

Por João Filho, no The Intercept Brasil

Há uma ideia corrente as redes sociais de direita que defende a existência de uma hegemonia do pensamento de esquerda na mídia internacional. Este delírio antes se restringia às sombras da extrema direita, mas, ultimamente, vem se tornando popular e ganhando força nas redes sociais.

Não é exatamente surpreendente que seja identificada como de esquerda qualquer abordagem mais progressista.Os telejornais, os telejornais policiais e programas que misturam entretenimento com jornalismo ainda são grandes fontes de informação para grande parte dos brasileiros. Segundo pesquisa Ibope divulgada pela Secom, 63% da população se informa sobre o que acontece no Brasil por meio de noticiários televisivos, e 77% afirma ver TV todos os dias da semana. Os programas policiais são um fenômeno de audiência e, invariavelmente, abraçam causas reacionárias. Apresentadores enfurecidos berram condenando suspeitos, discutem com entrevistados, aplaudem violência policial desmedida e repetem a máxima “bandido bom é bandido morto”. A fórmula sangrenta que fere todos os princípios jornalísticos é conhecida. Para quem está acostumado a isso, qualquer artigo no Guardian pode soar como um novo manifesto comunista. Há até quem considere a Folha de São Paulo um jornal esquerdista.

Essa semana, o Balanço Geral DF, da Record, um programa regional que mistura jornalismo com entretenimento e possui réplicas em todos os estados, protagonizou uma cena chocante de racismo. O jornalista e âncora do programa Marcos Paulo Ribeiro de Moraes, também conhecido como “Marcão Chumbo Grosso”, se sentiu à vontade para dizer que a cantora Ludmilla era uma “pobre macaca” antes da fama. Foi assim que ele ilustrou sua indignação com a possibilidade de a cantora não ter tratado fãs com a humildade que ele gostaria. Um caso evidente de racismo, mas a direção do programa tentou justificar no Twitter:


Impressiona a capacidade do programa da Record de subestimar seus telespectadores – não que já não faça isso diariamente. A direção do programa se reuniu e chegou à conclusão que contar essa mentira seria uma saída razoável. É grave demais para um programa que se pretende jornalístico.

Marcão Chumbo Grosso, aconselhado por seu advogado, apresentou outra justificativa para uso do termo “macaca” e recorreu aos “dicionários informais da internet” para provar que não foi racista:

“Nos dicionários informais, que facilmente pode ser visto através da rede mundial de computadores, a expressão “pé de macaco”, é usada como sendo: ‘Diz-se de algo pobre ou desprovido de vantagens ou de acessórios, que varia entre o ruim e o mais ou menos’, inclusive esta expressão de linguagem, é usada também em uma linda canção do Eduardo Costa.”

A pontuação do jornalista e seu advogado chocam menos que a cara de pau. Marcão não é um jovem inexperiente. É macaco velho. Já foi vereador eleito pelo PR (Partido da República) no interior do Tocantins, onde foi acusado de falsidade ideológica.

Após onda de indignação que se levantou nas redes, a empresa do Bispo Macedo não teve outra saída a não ser demiti-lo, e o programa teve o seu perfil deletado do Twitter. Chumbo Grosso deve ter ficado chateado, já que, quando foi contratado, declarou amar a empresa “porque é uma emissora que preza pela família brasileira”.

Este não é um caso isolado. Humilhar minorias na televisão é uma prática recorrente. No último dia 8, a repórter Fabélia Oliveira, do programa Sucesso no Campo, da Record Goiás, criticou o samba enredo da Imperatriz Leopoldinense, que aborda o conflito entre agronegócio e índios do Xingu. Na ânsia em defender o agronegócio, a repórter foi buscar inspiração no período colonial para tratar índios como se fossem pedras no sapato da civilização:

“Eles querem a mata para preservar a cultura deles? Pois então eles vão viver da cultura deles. Sou a favor dessa preservação se o índio for original. Agora, deixar a mata reservada para comer de geladeira…isso não é cultura indígena, não!  Eu sinto muito. Se ele quer preservar a cultura ele não pode ter acesso à tecnologia que nós temosEle não pode comer de geladeira, tomar banho de chuveiro e tomar remédios químicos. Porque há um controle populacional natural. Ele vai ter que morrer de malária, de tétano, do parto. É… a natureza. Vai tratar da medicina do pajé, do cacique, que eles tinham antigamente. Aí justifica.”

A eloquência com que esse ataque à cultura indígena foi proferido lembra bastante a garra com que o jornalista da Globo Alexandre Garcia costuma defender a ditadura militar, que massacrou povos indígenas. Ex-porta voz do ditador general Figueiredo e atual comentarista político do programa Bom Dia Brasil, da TV Globo, o prestigiado jornalista voltou na última semana mais uma vez à trincheira em defesa do regime do qual fez parte:

E tinha greve.E todo mundo no carro com o plástico"Brasil, ame-o ou deixe-o " E crescendo a 12 por cento do PIB ao ano. Pergunte ao seu tio. https://twitter.com/tbitelli/status/821486063927562241 …

Não é a primeira vez que o jornalista desfruta da liberdade de expressão para vangloriar o regime assassino e torturador. Ele exalta o crescimento do PIB no período, conquistado graças a empréstimos estrangeiros que quadruplicaram a dívida externa, mas finge ignorar o aumento da desigualdade social e da miséria. Chama de “terrorista” quem ousou lutar contra a ditadura, mas omite as práticas terroristas perpetradas por ela durante os anos de chumbo.

 As Organizações Globo pediram desculpas por terem apoiado – com muito gosto diga-se de passagem – a ditadura militar, mas não veem problema em manter em seus quadros um jornalista declaradamente entusiasta dela. É um perdão curioso, já que a empresa permite que um funcionário saia por aí exaltando o golpe de 64 e criminalizando quem o combateu.

 Os três episódios aconteceram apenas neste mês e ajudam a mostrar a tendência reacionária da imprensa corporativa brasileira. Enquanto jornalistas mais identificados com causas progressistas ficam de canto, quem vai pro centro da ribalta para brilhar são datenas, sheherazades, alexandres garcias e outros chumbos-grossos prestigiados pelos barões da mídia.

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar