Barão convoca reunião para articular solidariedade à Venezuela

Ligado .

A direita venezuelana sempre apostou na violência e no caos.

Foi assim em 2002, quando manteve Hugo Chavez sequestrado por dois dias, e espalhou o terror com um golpe de Estado que acabou revertido graças à resistência popular. Depois veio o “paro petrolero”, quando a elite se insurgiu contra o governo chavista - que passara a usar a renda do petróleo para promover a redução da desigualdade.

Mais recentemente, após a eleição de Maduro em 2013, vieram ações violentas nas ruas. Essa estratégia se aprofundou nas últimas semanas, com atos de vandalismo que incluíram ataques a tiros contra prédios públicos. Os extremistas usaram até helicóptero num desses ataques!

Não é exagero dizer que a oposição, na Venezuela, caminha para ações de terrorismo puro e simples. Não é exagero, também, lembrar que desde 2002 a oposição tem o apoio aberto dos Estados Unidos para derrubar o chavismo.

Washington já mostrou que é capaz de incendiar e desintegrar países inteiros. Os últimos movimentos indicam que está em curso na Venezuela um movimento radical, que pode criar uma Ucrânia ou uma Síria - bem às portas de nossas fronteiras. 

No Brasil, os atos bárbaros da direita venezuelana são apresentados pela mídia comercial como ações “em defesa da democracia”. Aqui, muitos se deixaram enganar quando essa mesma mídia convocou o povo para as ruas em nome do “combate à corrupção”.

Panelaços, agitação midiática e discurso de ódio: esse foi o coquetel que no Brasil serviu para levar a direita ultraliberal ao poder, com um programa de desmonte das conquistas sociais. Multiplique isso por dez e saiba o que teremos na Venezuela se o terrorismo de direita avançar e derrotar o chavismo.

Não é preciso fechar os olhos para os graves problemas econômicos da Venezuela, nem é preciso aplaudir todos os atos do governo Maduro, para compreender o que está em jogo no país vizinho.

A direita na Venezuela, com apoio dos Estados Unidos e da elite brasileira (comandada pela Globo e pelo PSDB - que chefia o Itamaraty no governo golpista), não tem qualquer interesse em defender a democracia. O projeto - lá como cá - é transformar a América do Sul numa espécie de colônia de Washington.

O chavismo propõe agora uma Constituinte para pacificar o país. A oposição extremista, sob patrocínio dos EUA, promove o boicote ao plebiscito constituinte e segue a incitar à violência.

Convidamos você a manifestar solidariedade ao povo da Venezuela e ao processo que nos últimos 18 anos (apesar de todas as dificuldades) reduziu a desigualdade, eliminou o analfabetismo e transformou aquele país numa Nação independente.

No próximo dia 31 de julho, às 14 horas, discutiremos formas de defender as conquistas populares na Venezuela, após o plebiscito. Venha debater conosco, na sede do Barão de Itararé em São Paulo (rua Rego Freitas, 454, República, SP).

Globo e Cia: Unidos pelo Brazil, contra o Brasil

Ligado .

Por Renata Mielli (Secretária-Geral do Barão de Itararé), na Mídia Ninja

Aldir Blanc e Maurício Tapajós compuseram a música Querelas do Brasil, em 1978. A canção, imortalizada na voz de Elis Regina, denuncia a colonização predatória dos Estados Unidos, que saqueia as riquezas naturais do nosso país, impõe um padrão de consumo e comportamento totalmente em desacordo com a cultura nacional e as condições sócio-econômicas da maioria esmagadora da população, tudo com o aval e patrocínio da elite do país.

O sistema de Justiça e as rádios comunitárias

Ligado .

Por Camila Marques e João Ricardo Penteado, na Carta Capital

Enquanto políticos de renome seguem intocáveis como donos de canais de televisão e estações de rádio por todo o Brasil – uma situação que afronta diretamente o artigo 54 da Constituição – comunicadores comunitários continuam sendo alvos preferenciais de ações repressivas do Estado brasileiro, seja nas mãos da burocracia, da polícia ou do sistema de Justiça.

Franklin Martins e Tereza Cruvinel: Debater comunicação nas administrações públicas é tarefa urgente

Ligado .

Objeto de oligopólio por parte de grupos empresariais com interesses estritamente privados, a comunicação é estratégica para a administração pública. A afirmação é de Franklin Martins, jornalista e ex-ministro da Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República. O assunto será pauta do Seminário Os desafios da comunicação nas administrações públicas, que ocorre nos dias 25 e 26 de agosto, em São Luis do Maranhão.

IstoÉ faz mau jornalismo, diz juiza que concedeu direito de resposta a Dilma

Ligado .

Por Kátia Guimarães, no Socialista Morena

A presidenta Dilma Rousseff ganhou nessa sexta-feira, 14 de julho, direito de resposta em ação contra a revista IstoÉ. A revista terá que conceder a Dilma o mesmo espaço, destaque, diagramação, publicidade e dimensão dada à matéria Mordomia: carros oficiais a serviço da família de Dilma, publicada no dia 15 de julho de 2016. A juíza de Direito Karla Aveline de Oliveira, da Vara Cível do Foro Regional Tristeza, no Rio Grande do Sul, diz que o semanário “trilha o caminho do mau jornalismo”, além de considerar a matéria “sórdida” e “machista”.