24 de julho de 2024

Search
Close this search box.

Brasileiros promovem Jornada pela Democracia e a Paz na Venezuela

No domingo (20), a Venezuela realiza mais um processo eleitoral livre e democrático. Desta vez, para respaldar a Revolução Bolivariana reelegendo Nicolás Maduro ou escolher outro presidente dentre três opções apresentadas por setores da oposição. Com os olhos do mundo – e do império – voltados para o país, o Comitê Brasileiro pela Paz na Venezuela promove, no mesmo dia, em São Paulo, a Jornada pela Democracia e a Paz na Venezuela, com a proposta de prestar solidariedade à soberania e à autodeterminação do povo irmão.

A programação definida pelo Comitê, que agrupa mais de 40 entidades e movimentos brasileiros, inclui panfletagem, diálogos e apresentações culturais com foco na Venezuela e na integração latino-americana. As atividades têm início às 11h e ocorrem em frente ao Conjunto Nacional (Avenida Paulista, 2073). Ao longo do dia, será feito o acompanhamento do processo eleitoral em tempo real.

O Comitê Brasileiro pela Paz na Venezuela surgiu em meio a um cenário de intenso bombardeio midiático sobre o governo venezuelano, exigindo solidariedade internacional para sustentar a sua legitimidade e endossá-lo como um dos principais processos democráticos de contraponto à agenda imperialista e, em especial, aos interesses dos Estados Unidos. Em 2018, a primeira vitória eleitoral de Hugo Chávez completa duas décadas, período em que o país subverteu a ordem vigente dando um basta à subserviência das elites locais e investindo a renda petroleira na inclusão social e na redução das desigualdades. 

Prestar solidaredade à Venezuela é uma forma de valorizar a luta do povo venezuelano, que resiste bravamente aos bloqueios e sanções econômicas impostas pelos inimigos do país e que resultam em um grave quadro de inflação induzida, desestabilização e asfixiamento financeiro. Mesmo assim, vale ressaltar, a maioria do povo venezuelano referendou a Revolução Bolivariana nos três últimos processos eleitorais: a construção da Assembleia Nacional Constituinte (julho de 2017), a eleição para governadores (outubro de 2017) e a escolha de novos prefeitos (dezembro de 2017). O sistema eleitoral venezuelano, a despeito da campanha sistemática de difamação contra o país, é considerado por especialistas como um dos mais seguros e transparente do mundo.

Confirme presença no evento: https://www.facebook.com/events/116283839249551/