21 de julho de 2024

Search
Close this search box.

“Governo Lula precisa ter outro olhar para as mídias alternativas”, diz presidente da ABI, Octávio Costa

“Um problema grave da comunicação de Lula é que os feitos do governo não chegam na população”, analisa o presidente da Associação Brasileira de Imprensa (ABI), Octávio Costa, em live realizada com a mídia alternativa, na terça-feira (25), no canal do Barão no YouTube. Segundo ele, é preciso fortalecer os meios alternativos e a comunicação popular, pois são fundamentais para democratizar a comunicação.

Durante a transmissão ao vivo, Octávio Costa, que tem 50 anos de carreira no jornalismo passando por diversos meios como a Editora Abril, o Jornal do Brasil e a Revista IstoÉ, fez um balanço da comunicação do governo Lula em seus sete primeiros meses. Ele saudou iniciativas como a Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República (Secom) voltar a ter status de Ministério, mas criticou a falta de aporte para as midias independentes.

Segundo ele, apesar de o governo priorizar áreas como a Empresa Brasileira de Comunicação (EBC), que acabou de lançar o CanalGov, e a TV Brasil, ainda faltam investimentos para a mídia alternativa e comunicadores populares, especialmente, na repartição da publicidade oficial – segundo números divulgados nesta terça, veículos ligados a Rede Globo detêm 57% do bolo publicitário.

“Mais da metade da verba publicitária governamental é destinada para a Rede Globo, mas isso não garante, em momento algum, algum tipo de apoio ao governo. A imprensa burguesa tem interesse econômico e representa uma classe social, então não dá pra confiar, tem que ter um outro olhar”, critica o jornalista.

De acordo com o presidente da ABI, um dos desafios da pasta é consolidar relações com os meios alternativos. “A comunicação do governo tem que aprender que essa proximidade [com a grande mídia] não leva a nada. É preciso fortalecer sim a mídia alternativa, porque são esses os veículos que defendem as suas posições”, alerta.

Octávio Costa destacou ainda o trabalho da ABI com a comunicação popular e as rádios comunitárias. “O objetivo é transformá-las em algo maior. Queremos dar espaço dentro da ABI e isso está em andamento. A ideia é que a iniciativa seja nacional”, ressalta.

“Sou muito otimista em relação ao governo Lula. A área da comunicação lida com questões vitais, por isso ela tem que chegar nas camadas populares, mostrar suas ações e que tem compromisso com as maiorias da população”, conclui.

A transmissão ao vivo faz parte de um ciclo de entrevistas organizado pelo Centro de Estudos da Mídia Alternativa Barão de Itararé cuja proposta é discutir o que está sendo e o que deve ser feito em termos de políticas públicas para democratizar a comunicação em seus diversos setores.

A entrevista contou com a apresentação de Felipe Bianchi e a participação das jornalistas: Katia Marko, do Brasil de Fato-RS e do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Rio Grande do Sul (Sindjors), Marina Valente, diretora de Profissionais de Mídias Alternativas e Comunitárias do Sindicato dos Jornalistas no Ceará (Sindjorce) e fundadora da agência Metamorfose Comunicação e Lourdes Nassif, redatora-chefe do Jornal GGN.

Assista abaixo a íntegra da entrevista. Ajude a divulgar e fortaleça o #CanalDoBarão!