17 de junho de 2024

Search
Close this search box.

Gritos e empurrões: Milei chama democracia de “tirania da maioria” e cultua dólar e privatização

No tumultuado encerramento de campanha, em Córdoba, o candidato ultraneoliberal à presidência da Argentina justificou a presença na cidade, lembrando que seu cachorro morto, que orienta seus passos, nasceu ali

Por Leonardo Wexell Severo, de Buenos Aires-Argentina para a ComunicaSul*

“Temos que pensar se queremos uma tirania das maiorias, isto é o populismo peronista ou voltar a abraçar a liberdade”, vociferou Javier Milei, o candidato neofascista à presidência da Argentina, no esvaziado comício de encerramento de campanha nesta quinta-feira (16), em Córdoba. Em poucos minutos o ultraneoliberal explicitou a sua essência: das mentirosas palavras até a mais grotesca falsificação das imagens.

Conforme Milei, “a seguridade Kirchnerista – a dos presidentes Néstor (2003-2007) e Cristina Kirchner (2007-2015) – nos levou à pior miséria do planeta e quer nos reduzir à segurança das cavernas”. “O liberalismo é o respeito irrestrito ao projeto de vida do próximo, baseado no respeito à propriedade privada, aos mercados livres de intervenção estatal”, assinalou o oposicionista, frisando que é contra garantir ao Estado a capacidade de investir e fazer justiça social, pois isso leva à ditadura imposta pelas multidões. Segundo ele, “para crescer”, é preciso um país castrado de regras e direitos, com sinal verde à exploração.

Daí seu proselitismo em favor da privatização e da desnacionalização dos setores estratégicos, chegando ao cúmulo do alucinado “compromisso com a dolarização e com a extinção do Banco Central”. Condenada por economistas e de forma unânime por organizações empresariais e de trabalhadores, a negação da moeda nacional reduziria a Argentina a um mero apêndice da economia estadunidense.

Incomodado com os símbolos estampados nas cédulas argentinas, que cultuam patriotas como Evita Perón, a campanha de Milei distribuiu entre seus apoiadores imensos cartazes de notas de cem dólares, com a própria foto no centro.

Sobre o fato de finalizar a campanha na cidade explicou: “Conan [seu cão e guia] era cordobês”. De acordo com Milei, seu “filho de quatro patas”, o mastim inglês Conan não só lhe dá orientações por meio de uma médium, ao ver o futuro e aprender com os erros, mas lhe garante estabilidade com os descendentes clonados. Um deles tem o nome de Milton Friedman, o economista defensor da tese do governo mínimo e da exploração máxima.

O candidato defensor da venda de órgãos se comprometeu a apagar a história de “verdade, memória e justiça”, marco que colocou a Argentina à frente na luta pelos direitos humanos no continente ao punir os responsáveis pelo assassinato e desaparecimento de 30 mil ativistas sociais durante a ditadura militar dos anos 70.

15 mil viraram “multidão”

A divulgação da “multidão” resultou igualmente numa catástrofe, pois foi prontamente desmentida. O evento ocupou um pouco mais do que uma quadra, avaliado pela polícia em 15 mil pessoas. Isso obrigou a campanha a divulgar outra foto, de uma marcha LGBT realizada recentemente na cidade, muito maior, como se fosse o ato de encerramento.

“Chega de notícias falsas, desinformação e lixo viralizado. As mesmas pessoas que dizem que nos odeiam usam a foto da histórica marcha de 11 de novembro passado para sua campanha fantasma”, rebateram os organizadores da marcha LGBT. De forma enfática, expressaram “o mais enérgico repúdio à utilização da nossa manifestação para capitalizar politicamente um apelo que não era logicamente o esperado para o encerramento da campanha a nível nacional”.

Como foi captado pelo canal C5N, entre gritos e empurrões, nem bem terminou o ato houve um enfrentamento entre o deputado eleito, Oscar Zago, e o “youtuber financeiro” Ramiro Marra, candidato derrotado à chefia do governo da Cidade Autônoma de Buenos Aires (CABA). O responsável pela estratégia de comunicação da campanha nas redes sociais, Fernando Cerimedo, e o jovem ativista e tiktoker Iñaki Gutiérrez também puderam ser vistos no cenário bizarro. Policiais precisaram interferir para dispersar o tumulto, que causou um impacto negativo pelo ridículo.

Massa rebate retrocesso e defende união pela pátria

Na mesma quinta-feira, o candidato Sérgio Massa, da União pela Pátria, realizou dois atos de encerramento: um com estudantes e outro com empresários do Conselho Interamericano de Comércio e Produção (Cicyp), onde defendeu o papel do investimento público para a multiplicação de obras e empregos, e combateu a dolarização.

“Não ter moeda, não ter uma política de crédito, não ter autoridade monetária está condenando a indústria argentina ao fracasso e a um processo de fechamento definitivo”, apontou Massa. Conforme o atual ministro da Economia, seu mandato será de “unidade nacional”, priorizando o desenvolvimento e a justiça social.

massacierresegundavuelta 1 768x512

Jovens estudantes reunidos com Sérgio Massa em Buenos Aires (NA)

“Nos países mais desenvolvidos, em média 92% do investimento em infraestrutura é feito pelos Estados e não pelo setor privado”, afirmou Massa, destacando que é esse o ritmo que advoga para o próximo governo. “Isso tem a ver com a perspectiva de desenvolvimento que um país deve ter”, frisou.

Ao finalizar a caminhada peronista junto aos estudantes na Escola Superior de Comércio Carlos Pellegrini, da Cidade de Buenos Aires, Massa exaltou a que defendam seus projetos com esperança e luta e assumiu “a responsabilidade de deixar para vocês um país muito melhor”. Propondo aos jovens que defendam suas utopias, frisou que a maior delas é “a liberdade de escolher onde estudar sem que ninguém lhes dê cheque ou voucher; de trabalhar onde quiserem sem que ninguém tire os seus direitos”. Acima de tudo, frisou, “a liberdade de ter um modelo de desenvolvimento para o seu país sem que ninguém coloque em primeiro lugar uma bandeira estrangeira e defenda a igualdade de oportunidades”.

*A reprodução deste conteúdo é livre e gratuita, desde que citadas a fonte e a lista de entidades apoiadoras da cobertura.

A Agência ComunicaSul está cobrindo as eleições de 2023 na Argentina graças ao apoio das seguintes entidades: jornal Hora do Povo, Diálogos do Sul, Barão de Itararé, Portal Vermelho, Correio da Cidadania, Agência Saiba Mais, Agência Sindical, Viomundo, Fórum 21, Instituto Cultiva, Asociación Judicial Bonaerense, Unión de Personal Superior y Profesional de Empresas Aerocomerciales (UPSA), Sol y Sombra Bar, Federação dos Trabalhadores em Instituições Financeiras do RS (Fetrafi-RS); Sindicato Nacional dos Servidores Federais da Educação Básica, Profissional e Tecnológica (Sinasefe-RS); Sindicato dos Metalúrgicos de Guarulhos; Federação dos Comerciários de Santa Catarina; Confederação Equatoriana de Organizações Sindicais Livres (CEOSL); Sindicato dos Comerciários do Espírito Santo; Sindicato dos Hoteleiros do Amazonas; Sindicato dos Trabalhadores das Áreas de Assessoramento, Perícias, Informações e Pesquisa, e de Fundações Públicas do Rio Grande do Sul (Semapi-RS); Federação dos Empregados e Empregadas no Comércio e Serviços do Estado do Ceará (Fetrace); Federação dos Trabalhadores no Comércio e Serviços da CUT Rio Grande do Sul (Fetracs-RS); Intersindical, Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), Central Única dos Trabalhadores do Paraná (CUT-PR); Associação dos Assistentes Sociais e Psicólogos do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (AASPTJ-SP), Federação dos/as Trabalhadores/as em Empresas de Crédito do Paraná (FETEC-PR), Sindicato dos Trabalhadores em Água, Resíduos e Meio Ambiente do Estado de São Paulo (Sintaema-SP); Sindicato dos Trabalhadores em Água, Resíduos e Meio Ambiente do Estado de Santa Catarina  (Sintaema-SC), Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção Pesada no Estado do Paraná (Sintrapav-PR), Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp Sudeste-Centro), Sindicato dos Escritores no Estado de São Paulo, Sindicato dos Trabalhadores no Poder Judiciário Federal de Santa Catarina (Sintrajusc-SC); Sindicato dos Trabalhadores no Poder Judiciário do Estado de Santa Catarina (Sinjusc-SC), Sindicato dos Trabalhadores do Poder Judiciário Federal em Pernambuco (Sintrajuf-PE), mandatos populares do vereador Werner Rempel (PCdoB/Santa Maria-RS) e da deputada federal Juliana Cardoso (PT-SP) e dezenas de contribuições individuais.