25 de julho de 2024

Search
Close this search box.

Alvo de criminosos, TV Cidade de Taubaté reforça necessidade de regulação da mídia

 

Por Felipe Bianchi

Na madrugada do dia 24 de dezembro, a TV Cidade de Taubaté teve parte de seus equipamentos roubados e sua sede parcialmente incendiada. De acordo com o presidente do veículo comunitário Mario Jefferson Leite Mello, o prejuízo atinge a casa dos R$ 230 mil, entre equipamentos e estrutura.

“Às 7h30 do dia 24, encontramos o portão de nossa sede aberto e, ao entrarmos no local, notamos que muito material havia sido levado”, conta. “Assaltos acontecem, mas o que intriga é o fato de, mesmo com o êxito do assalto, nosso estúdio ter sido incendiado. Parece um recado bastante duro”.

Ele ressalta que uma semana antes do ocorrido o canal exibiu vídeos de campanha pela democratização da mídia e abordou temas espinhosos, como a regulação do setor e o autoritarismo das empresas de telecomunicações. A TV Cidade também tem em seu histórico produções bastante provocativas, como a documentação da ação policial de desocupação em Pinheirinho.

Apesar de considerar o incêndio um “ato simbólico”, Mello evita apontar culpados ou mesmo decretar que a ação tenha sido premeditada e política. “Pode até se tratar da ação comum de uma quadrilha de assaltantes, já que outras duas produtoras audiovisuais foram vítimas de roubos recentes na região de Taubaté e Jacareí, mas fica no ar o por quê do incêndio”.

De acordo Polícia Militar da cidade, os criminosos teriam invadido o local arrombando a porta principal e, durante a ação de retirada dos equipamentos, é possível que tenha ocorrido um curto circuito, provocando o incêndio. “Foi um ‘cala a boca’, na minha opinião”.

Segundo Mello, o caso está sendo investigado pela Polícia Federal, já que boa parte do equipamento levado é fruto de um convênio com o Ministério da Cultura.

A previsão para a restauração do estúdio é de aproximadamente um mês, considerando que o assaltantes deixaram equipamentos importantes para trás. “Improvisamos um estúdio na sala de espera e temos recebido doações espontâneas de simpatizantes e empresas que se solidarizaram conosco”, relata. “Recebemos, inclusive, um conjunto de quatro câmeras de segurança”.

Além disso, eventos beneficentes estão sendo promovidos para arrecadar fundos e amenizar o prejuízo do canal. “Assim que a restauração estiver concluída, temos a ideia de organizar uma virada cultural para a comunidade, como forma de reafirmar que a TV pertence a ela”.

Um campo esquecido

Apesar de a Constituição Federal prever a complementaridade entre os sistemas de comunicação privado, público e comunitário, apenas os veículos comerciais beneficiam-se do vazio de regras para o setor. “No caso dos meios comunitários”, argumenta Mello, “o problema vai desde a falta de fomento por parte do governo até o fato de sequer sabermos quem somos, por definição”.

Presidente também da Frente Nacional pela Valorização das TVs do Campo Público (Frenavatec), ele diz que há um bom diálogo com o novo ministro das Comunicações, Ricardo Berzoini, autor de um Projeto de Lei que permitiria a veiculação de publicidade em canais comunitários.

“A regulação deve dar condições para saibamos quem somos e, a partir disso, construirmos políticas públicas fortes para o setor”, defende Mello. “O Estado deve fomentar o campo público, e não é liberando linha de crédito apenas para veículos comerciais. Só assim podemos pensar em uma comunicação democrática”.

NOTA DE SOLIDARIEDADE

O Centro de Estudos Barão de Itararé se solidariza, por meio desta nota, à TV Cidade de Taubaté. O papel desempenhado pelos veículos do campo público é de fundamental importância para a construção de uma mídia mais democrática e, por isso, manifestamos nosso desejo de pronta restauração de sua estrutura e normalização de sua operação.