21 de junho de 2024

Search
Close this search box.

Com foco em filmes nacionais, TV Brasil estreia nova faixa de cinema

O ano é 1942, o mundo enfrenta a maior guerra da história. No sertão, um alemão, que fugia dos conflitos na Europa, começa a vender aspirinas pela região e contrata um homem nordestino como ajudante. Para conquistar novos compradores, eles exibem filmes publicitários em praças de cidades pequenas. Esse é o enredo do filme Cinema, Aspirinas e Urubus, um dos destaques da nova faixa de cinema que estreia na TV Brasil no dia 18 de setembro.

Rafael Cardoso/Agência Brasil

A produção é de 2005 e recebeu, no mesmo ano, o Prêmio da Educação Nacional no Festival de Cannes. O cineasta Marcelo Gomes é o responsável pelo filme e conversou com a Agência Brasil durante as gravações do Cine Resenha, programa que vai exibir produções cinematográficas e trazer entrevistas com os responsáveis por elas. Para ele, a televisão pública é o lugar ideal para que conteúdos nacionais e independentes sejam exibidos e alcancem todo o país.

“Estou muito feliz em pensar que esse filme vai passar de Norte a Sul do país, em lugares que meus filmes nunca chegaram antes. Onde os cinemas nunca exibiriam esse tipo de produção. É a TV Brasil que vai poder quebrar esse bloqueio, dos cinemas que exibem majoritariamente filmes dos Estados Unidos. A televisão pública vai ajudar a tornar mais conhecidas as nossas produções. E quando a pessoa vê um filme, isso instiga a curiosidade dela. Começa a gostar e quer ver outros, conhecer melhor o cineasta e o tema”, disse Marcelo Gomes.

O cineasta e crítico Eduardo Valente também elogiou o novo projeto da TV Brasil e o espaço dado para que os produtores falem sobre os próprios filmes.

“É essencial ter essa possibilidade de colocar o cinema brasileiro na televisão, principalmente na televisão pública. E é especialmente importante poder contextualizar os filmes, onde foram realizados, as intenções, as linguagens que os diretores tentaram explorar. Com essas oportunidades, trazendo os conteúdos para a televisão, podemos ampliar a plateia e o número de interessados pelas produções nacionais”, disse Eduardo Valente.

Nova programação

Além do Cine Resenha, a nova faixa de cinema terá quatro horários para exibição de filmes nos fins de semana: dois à tarde e dois à noite. Na programação, estão previstos destaques do cinema nacional, entre eles O Céu de Suely, de Karim Aïnouz (2006); O Som ao Redor, de Kleber Mendonça Filho (2012); A Febre, de Maya Da-Rin (2019); e Riscado, de Gustavo Pizzi (2010).

Também está programada uma mostra com filmes da L.C. Barreto Produções Cinematográficas, que completou 60 anos de existência e foi responsável, durante esse tempo, por mais de 150 títulos, entre filmes de ficção, documentários e programas de televisão.

A diretora de conteúdo e programação da TV Brasil, Antonia Pellegrino, disse que priorizar produções independentes nacionais foi uma decisão política e estratégica.

“Decidimos reunir esses talentos contemporâneos – pessoas com filmes premiados, sejam recentes ou mais antigos – e exibi-los em rede nacional. Alcançar mais pessoas, formar uma plateia maior e cumprir com os objetivos da comunicação pública. Isso é prioritário para nós. Fizemos um trabalho de prospecção muito cuidadoso, que envolveu uma equipe enorme e que vai começar a ser veiculado na TV em setembro. Queremos no próximo ano, à medida que tenhamos um novo orçamento, comprar mais filmes e aumentar o espaço deles na grade. É muito importante que o setor cinematográfico entenda a TV Brasil como a tela do cinema brasileiro”, afirmou Antonia.

A gerente executiva de conteúdo da TV Brasil, Guta Ramos, destacou que 80% de toda a produção vão ser nacionais, o que inclui filmes, séries e documentários.

“Acho que é importante valorizarmos a diversidade do cinema e do audiovisual. Nossos conteúdos precisam ser vistos e fomentados a partir da diversidade regional, de gênero, de raça. É isso que vamos fazer aqui na TV Brasil: falar desse país complexo em que a gente vive e não só de um determinado nicho de produções restritas ao eixo Rio-São Paulo”, disse Guta.