Governador de Buenos Aires desmascara “armação para matar Cristina” e defende voto em Massa

Internacional
Typography
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

“Autor do disparo não era lobo solitário e tinha foto com Milei”, denunciou Axel Kicillof, frisando que de “espontâneo não teve nada”. Para o governador, é preciso combater a violência e o discurso de ódio, o que começa derrotando o fascismo nas urnas. 

A atual vice-presidente da Argentina, Cristina Kirchner, por duas vezes presidente (2007 a 2015), chegava em sua casa onde uma multidão de apoiadores se aglomerava do lado de fora cantando palavras de ordem peronistas quando um homem se aproxima, saca uma pistola, aponta para sua cabeça e puxa o gatilho. Cristina se encolhe assustada e, por um milagre, a arma não dispara. O homem tenta ajeitar a pistola e disparar de novo, mas é impedido pelos seguranças que imediatamente o prendem e o entregam à polícia.

Por Caio Teixeira, Felipe Bianchi e Leonardo Wexell Severo/ComunicaSul*, de Buenos Aires-Argentina

É primeiro de setembro de 2022 e passa um pouco da meia-noite. O atirador, Fernando Sabag Montiel, exibe tatuagens com símbolos nazistas nos dois braços. Uma busca policial onde mora revelou mais material de mesma natureza.

Quando interrogado, disse que a razão do atentado foi “ódio generalizado” a todos os políticos. Entretanto, em seu telefone apreendido, a perícia encontrou uma foto sua com Javier Milei, que se converteu no principal oponente ao campo progressista na corrida presidencial de 2023. A polícia deu por encerrado o caso poucos meses depois, responsabilizando apenas o criminoso preso em flagrante.

Frente ao auditório lotado do Centro Cultural da Ciência, em Buenos Aires, a premiada jornalista investigativa e escritora Irina Hauser lançou seu novo livro: “Morta ou Presa – a trama violenta por trás do atentado” (Editora Planeta, 262 páginas). A solenidade contou com a presença do governador, recém reeleito da província (estado) de Buenos Aires, Axel Kicillof, uma das mais importantes lideranças peronistas da atualidade, próximo de Cristina e que estava presente na cena do atentado.

“Se você se debruça sobre os detalhes do atentado contra Cristina, fica claro que não foi nada espontâneo, que não foi ao acaso. O único acaso nesta história foi a arma ter falhado e a bala não ter sido disparada”, declarou Axel Kicillof. “O Autor do disparo não era nenhum ‘lobo solitário’ e tinha, inclusive, foto posando ao lado de Milei”, recordou o governador, frisando que a Justiça fez uma “desinvestigação” que beneficiou a extrema-direita.

Autora da obra, Irina Hauser escreve no Página12 e tem um trabalho reconhecido no campo de investigação judicial. “A história da tentativa de assassinato de Cristina, cujo autor declarou ter sido motivado por sentimento de ‘ódio generalizado’, precisava ser entendida e contada com urgência”, relatou.

muertaopresa e1699975984304 768x1002

Foto: Felipe Bianchi/ComunicaSul

A investigação da autora, que contou com a colaboração de Ariel Zak, jornalista na Agência Telam, C5N e Rádio 10, apontou que o objetivo foi descrever o antes, o durante e o depois da tentativa fracassada de assassinato e entender quem eram os agentes por trás da trama e que não estavam presentes na cena do crime. “Boa parte da imprensa fez de tudo para emplacar a tese de que o homem que tentou disparar contra Cristina agia sozinho e de forma isolada, o que o livro desmente”, rebateu.

Um dos apresentadores da obra, o ministro de Educação, Ciência e Tecnologia, Daniel Filmus, apontou que este é “um livro necessário, ainda que jamais houvéssemos querido ter de apresentá-lo”, diante da gravidade dos fatos que desmascara e traz à luz do dia.

De acordo com Kicillof, a investigação que o livro traz soa como um alerta contra a violência organizada da ultradireita, que tem escalado em todo o continente. “Precisamos acabar com o discurso de ódio e a violência política. O peronismo faz política respeitando as instituições, a Constituição, as leis e as urnas”, pontuou. “E é assim que devemos encarar as eleições do próximo domingo, para que Sérgio Massa seja eleito presidente”.

*A reprodução deste conteúdo é livre e gratuita, desde que citadas a fonte e a lista de entidades apoiadoras da cobertura

A Agência ComunicaSul está cobrindo as eleições de 2023 na Argentina graças ao apoio das seguintes entidades: jornal Hora do Povo, Diálogos do Sul, Barão de Itararé, Portal Vermelho, Correio da Cidadania, Agência Saiba Mais, Agência Sindical, Viomundo, Fórum 21, Instituto Cultiva, Asociación Judicial Bonaerense, Unión de Personal Superior y Profesional de Empresas Aerocomerciales (UPSA), Sol y Sombra Bar, Federação dos Trabalhadores em Instituições Financeiras do RS (Fetrafi-RS); Sindicato Nacional dos Servidores Federais da Educação Básica, Profissional e Tecnológica (Sinasefe-RS); Sindicato dos Metalúrgicos de Guarulhos; Federação dos Comerciários de Santa Catarina; Confederação Equatoriana de Organizações Sindicais Livres (CEOSL); Sindicato dos Comerciários do Espírito Santo; Sindicato dos Hoteleiros do Amazonas; Sindicato dos Trabalhadores das Áreas de Assessoramento, Perícias, Informações e Pesquisa, e de Fundações Públicas do Rio Grande do Sul (Semapi-RS); Federação dos Empregados e Empregadas no Comércio e Serviços do Estado do Ceará (Fetrace); Federação dos Trabalhadores no Comércio e Serviços da CUT Rio Grande do Sul (Fetracs-RS); Intersindical, Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), Central Única dos Trabalhadores do Paraná (CUT-PR); Associação dos Assistentes Sociais e Psicólogos do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (AASPTJ-SP), Federação dos/as Trabalhadores/as em Empresas de Crédito do Paraná (FETEC-PR), Sindicato dos Trabalhadores em Água, Resíduos e Meio Ambiente do Estado de São Paulo (Sintaema-SP); Sindicato dos Trabalhadores em Água, Resíduos e Meio Ambiente do Estado de Santa Catarina  (Sintaema-SC), Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção Pesada no Estado do Paraná (Sintrapav-PR), Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp Sudeste-Centro), Sindicato dos Escritores no Estado de São Paulo, Sindicato dos Trabalhadores no Poder Judiciário Federal de Santa Catarina (Sintrajusc-SC); Sindicato dos Trabalhadores no Poder Judiciário do Estado de Santa Catarina (Sinjusc-SC), Sindicato dos Trabalhadores do Poder Judiciário Federal em Pernambuco (Sintrajuf-PE), mandatos populares do vereador Werner Rempel (PCdoB/Santa Maria-RS) e da deputada federal Juliana Cardoso (PT-SP) e dezenas de contribuições individuais.