17
Qui, Jan

Altamiro Borges: Tuiuti constrange a Globo e os midiotas

Cultura
Typography
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

O desfile da Paraíso do Tuiuti, que agitou o Sambódromo do Rio de Janeiro neste domingo (11), segue bombando nas redes sociais. Em várias enquetes, os internautas já elegeram a escola como a melhor do Carnaval de 2018. Com muita irreverência e criatividade, ela retratou a escravidão no Brasil, exibindo as carteiras de trabalho destruídas pela “deforma” trabalhista do covil golpista. O destaque, porém, foi o carro alegórico com a gigantesca e tenebrosa figura em alusão ao usurpador Michel Temer – “O Vampiro Neoliberalista”. Abaixo da figura sinistra, diversos passistas batendo panelas, vestindo camisetas da “ética” CBF e carregando seus patinhos amarelos da “incorruptível” Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp) – verdadeiros fantoches!

Os 'manifestoches'. Foto: Reprodução

A escola pode até não vencer o disputado carnaval carioca, mas já causou frisson e constrangimento. Como registrou o crítico de televisão Maurício Stycer, do UOL, a Tuiuti deixou na defensiva os apresentadores da Globo – a principal protagonista do golpe dos corruptos que depôs Dilma Rousseff e alçou ao poder a quadrilha de Michel Temer. “Do camarote da Globo, onde narrava o desfile, Fátima Bernardes, Alex Escobar e Milton Cunha reagiram com comedimento ao surpreendente protesto, como se estivessem constrangidos”. Eles evitaram comentar os fantoches manipulados pela mídia e sequer citaram o nome de Michel Temer – apesar da faixa presidencial do vampirão. “Encerrado o desfile, o camarote da Globo recebeu vários participantes da Tuiuti – mas nem o vampiro, nem os ‘manifestoches’ foram assuntos das entrevistas”. 

O constrangimento da emissora é perfeitamente compreensível. Se fosse possível, ela simplesmente censuraria o desfile. Ela apoiou o golpe de forma consciente, planejada, e segue apoiando a quadrilha no poder com suas contrarreformas que impõem a volta da escravidão e o fim da aposentadoria no Brasil. A dúvida é sobre como se comportaram diante da telinha os “midiotas” que foram às ruas na cavalgada golpista com suas camisetas amarelas da CBF e os patinhos da Fiesp. Será que eles já perceberam que foram os grandes otários retratados neste magistral desfile? Ou é preciso desenhar? 

 

Abaixo, reproduzo o samba-enredo da escola Paraíso do Tuiuti: 

***** 

Meu Deus, meu Deus! Está extinta a escravidão? 

Irmão de olho claro ou da Guiné 

Qual será o valor? Pobre artigo de mercado 

Senhor eu não tenho a sua fé, e nem tenho a sua cor 

Tenho sangue avermelhado 

O mesmo que escorre da ferida 

Mostra que a vida se lamenta por nós dois 

Mas falta em seu peito um coração 

Ao me dar escravidão e um prato de feijão com arroz 

Eu fui mandinga, cambinda, haussá 

Fui um rei egbá preso na corrente 

Sofri nos braços de um capataz 

Morri nos canaviais onde se planta gente 

Ê calunga! Ê ê calunga! 

Preto Velho me contou, Preto Velho me contou 

Onde mora a senhora liberdade 

Não tem ferro, nem feitor 

Amparo do rosário ao negro Benedito 

Um grito feito pele de tambor 

Deu no noticiário, com lágrimas escrito 

Um rito, uma luta, um homem de cor 

E assim, quando a lei foi assinada 

Uma lua atordoada assistiu fogos no céu 

Áurea feito o ouro da bandeira 

Fui rezar na cachoeira contra bondade cruel 

Meu Deus! Meu Deus! 

Se eu chorar não leve a mal 

Pela luz do candeeiro 

Liberte o cativeiro social 

Não sou escravo de nenhum senhor 

Meu Paraíso é meu bastião 

Meu Tuiuti o quilombo da favela 

É sentinela da libertação