21 de junho de 2024

Search
Close this search box.

Em coletiva à mídia alternativa, Pimenta condena notícias falsas e detalha reconstrução do RS

No último domingo (19), o Ministro-Chefe da Secretaria Extraordinária de Apoio à Reconstrução do Rio Grande do Sul, Paulo Pimenta, concedeu entrevista coletiva exclusiva para a mídia independente.

Promovido pelo Centro de Estudos da Mídia Alternativa Barão de Itararé, o encontro foi apresentado pelo coordenador da entidade, Altamiro Borges, e contou com a participação de jornalistas da Fórum, Jornal GGN, Portal do José, TV 247, Diário do Centro do Mundo (DCM), Sul21 e Brasil de Fato RS.

Durante mais de uma hora e meia de live transmitida pelo Canal do Barão e por veículos parceiros, Pimenta falou sobre as ações do governo federal para a reconstrução do Rio Grande do Sul e acolhimento ao povo gaúcho.

“O nosso foco é garantir dignidade nos abrigos e implementar um modelo ágil de transição para as novas casas. Estamos debatendo juntos a melhor forma de fazermos isso, garantindo acolhimento para a população”, declarou.

Outro ponto abordado na conversa foi sobre o papel da mídia alternativa no combate às fake news e desinformações que prejudicam os resgates no Rio Grande do Sul.

“Precisamos ter mais espaços como este para dialogar, estamos diante de uma tragédia que tem muitas dimensões e precisamos fazer este debate que os negacionistas insistem em não fazer”, disse Pimenta, que também ocupa o cargo de ministro da Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República, a Secom.

Neste sentido, o ministro também destacou as políticas de Comunicação do governo Lula para fortalecer a comunicação pública. “Reestruturamos a EBC, produzimos conteúdo de informação diária, conseguimos incluir o sistema de TVs e Rádios Comunitárias integradas na nossa política de Comunicação, mas reconheço a necessidade de avançar mais”, disse.

Paulo Pimenta também saudou a iniciativa da coletiva e sugeriu mais oportunidades para dialogar com a imprensa alternativa.”Podemos nos comprometer a ter um horário semanal para conversar”, propôs.